Congonhas do Campo

Congonhas do Campo foi fundada em 1713 com nome de Freguesia de Nossa Senhora da Conceição de Congonhas, passou a denominar-se Congonhas do Campo e mais tarde simplesmente Congonhas. É nessa cidade que está uma das mais importantes obras da arte barroca na Basílica Bom Jesus de Matosinhos.

A cidade fica à uma distância de 80 km de Belo Horizonte e 135 km de Ouro Preto, se você estiver de carro, siga pelas rodovias MG-262 e BR-040.

O principal monumento de Congonhas é o Santuário de Bom Jesus de Matosinhos. Um conjunto arquitetônico e paisagístico formado por uma igreja, um adro e seis capelas anexas.

A igreja é um importante exemplar da arquitetura colonial brasileira, com uma rica decoração interna em talha dourada e pinturas. A igreja estava em reforma no dia que eu estive lá.

IMG_5627

O adro é ornado com doze estátuas de profetas em pedra-sabão, o mais impressionante é que cada profeta está em uma posição diferente.

As capelas contêm grupos escultóricos em madeira policromada que representam passos da Paixão de Cristo, estátuas criadas pelo Aleijadinho e seus assistentes. Outros artistas de gabarito participaram nas obras de construção e decoração, entre eles Francisco de Lima Cerqueira, João Nepomuceno Correia e Castro e Mestre Ataíde. O conjunto foi construído em várias etapas entre 1757 e 1875.

Congonhas tem outras atrações para se conhecer, apesar de ser uma cidade um pouco mal tratada.

Na Igreja de Nossa Senhora da Conceição existe o acervo artístico de Congonhas e é considerado pela Unesco como Patrimônio Cultural da Humanidade. A igreja mais antiga data do século XVII (Igreja do Rosário), construída pelos primeiros mineradores que chegaram à região. No século XVIII foram construídas as igrejas de Nossa Senhora da Conceição (matriz), a Capela de Nossa Senhora de Soledade, a igreja de Nossa Senhora D Ajuda e a Basílica do Senhor Bom Jesus de Matosinhos.

Na Rua da Ladeira você vai se deparar com a Igreja de São JoséÉ a única igreja e Congonhas com torres arredondadas e entalhes em estilo neoclássico. Seu interior é bem simples, com algumas poucas pinturas e imagens de santos, destacando-se aquele que deu nome à igreja.

O Prédio da Romaria foi recentemente reconstruído nos mesmos moldes do que foi demolido em 1966. É onde funciona a Fundação da Cultura de Congonhas, que promove eventos e possui oficinas de artesanato, bares, restaurantes e um museu. O espaço já não é mais usado para hospedar romeiros, que hoje chegam à cidade em grande quantidade. Atualmente a estrutura é destinada à preservação da história, cultura, artes, lazer e turismo em Congonhas. a entrada é grátis.

Com diversas exposições o Museu de Congonhas oferece informações e experiências para que o visitante conheça a história e o contexto do sítio inscrito na Lista do Patrimônio Mundial da UNESCO. Clique nesse link para maiores informações.

Se você quer algo além das experiências e passeios religiosos. A cidade também oferece alternativas naturais para quem gosta. É o caso do Parque Ecológico das Cachoeiras, ideal para trilhas, caminhadas, piqueniques e passeios ao ar livre. Ele fica localizado a 5 km do centro de Congonhas. Com uma completa infraestrutura de lazer. Para mais informações clique no link.

Gostou das dicas? Aproveite e Viaje com Leandro.

Deixe uma resposta