Nîmes

Uma cidade linda e uma importante rota do mundo antigo. Conhecida por suas antiguidades romanas e suas touradas na Arena. Nîmes sempre teve uma história turbulenta, tendo sofrido especialmente durante as Guerras religiosas do século XVI. Cheguei na cidade de ônibus, vim de Arles, a viagem durou 35 minutos.

Seu cartão postal é a Arena, todas as ruas vão ao seu encontro. Construída no final do século I d.C., o desenho oval com fileiras de pedra acomodam multidões de até 25 mil espectadores. Hoje voltou a ser usada para concertos, eventos esportivos e touradas.

A igreja de Saint-Paul é um edifício neo-românico. Elevado à monumento histórico em 1991, tem uma torre poderosa de 62 metros.

A Fontaine Pradier é uma fonte monumental de mármore branco na esplanada de Nîmes,  construída em 01 de junho de 1851.
O seu elemento principal, uma jovem mulher de pé, representa alegoricamente a cidade de Nîmes. Em sua coroa estão os monumentos romanos emblemáticos: o anfiteatro e a colunata da Maison Carree.

A estátua principal é cercada por quatro estátuas sentadas, cujas bacias recolhem água. Estes quatro personagens, dois homens e duas mulheres, que representam as quatro principais rios da região de Nîmes: Fonte Nîmes, fonte mãe da colônia romana, o Gardon, o Eure Fontaine e o Rhone. Cada uma destas representações é identificado por seu nome latino, gravado na base: Nemausa, Vardo, Ura e Rhodano.

DSC03417

A Maison Carrée é um templo romano, orgulho de Nîmes. Construído entre os séculos II e III d.C., é um dos mais bem preservados do mundo, com colunas coríntias e de belas ranhuras e friso esculpido. Hoje é um museu.

Com suas ruas largas e prateadas, Nîmes é muito mais do que só relíquias históricas. O Jardin de la Fontaine foi organizado em torno de uma nascente. Foram construídos jardins formais no século XVIII.

Dentro do Jardin de la Fontaine encontra-se o Temple de Diane que é um monumento romano construído no séc I.
O edifício é um santuário de nymphaeum e dedicado a Augusto. No entanto, é discutida sua função principal. O seu plano de basílica exclui o fato de que era um templo romano e o termo “Diane” não se baseia em dados arqueológicos ou históricos. Ele poderia abrigar uma biblioteca. A fachada provavelmente foi remodelado durante o séc. II. Na Idade Média, era um mosteiro, o que explica a sua conservação. No século XVIII, inspirou muitos românticos, Hubert Robert, em particular. Hoje é acessível a partir dos jardins da fonte.

Bem no alto do Jardin de la Fontaine está a Tour Magne, um monumento galo-romano em Nîmes. Uma relíquia imponente do longo muro romano de Nîmes, tem vista para os jardins de fonte no Mont Cavalier.

Deixe uma resposta