Braga

Cheguei em Braga de carro. A viagem começou em Lisboa e a última parada em Portugal era Porto e Braga se localiza a 45 minutos de carro, mais ou menos 60 km. É possível ir de trem também saindo de Porto. A primeira impressão não foi das melhores, achei que Braga era meio comum, com nada de especial, mas depois eu mudei de ideia.

Como toda cidade pequena, Braga é cheia de igrejas. A Igreja e Convento do Pópulo foi a primeira construção que visitei, que iniciou sua construção em 1596 e com uma fachada neoclássica e decorada internamente por azulejos históricos e a talha dourada. O Convento, com traçado maneirista, foi ocupado em 1834.

A Praça do Município é uma praça localizada no centro histórico de Braga.

Na segunda metade do século XVI é aberta a praça na então dominada quinta e hortas do Paço Episcopal Bracarense. Batizada como Campo de Touros, a praça durante décadas serviu para esse propósito, a tourada. Em 1753 a velha Praça de Touros passou a denominar-se Praça do Município. A Fonte do Pelicano foi construída nos anos de 1950 e a praça adquire o aspecto atual, ladeada por árvores.

O Arco da Porta Nova localiza-se na freguesia da Sé.  Foi uma das portas nas muralhas da cidade rasgada em 1512. A sua atual feição data de 1772. Encontra-se classificada como Monumento Nacional desde 1910. Junto encontra-se uma torre medieval pertencente à muralha fernandina, e praticamente encoberta pelo casario.

Como eu entro em todas as igrejas que passo, sempre digo que eu vou primeiro e se valer à pena eu chamo para entrar. Quando entrei na Sé de Braga, fiquei sem fala com tamanha beleza. A História diz que a existência da Sé seria desde o ano de 400. A Catedral foi alvo de grandes modificações ao longo dos séculos. A visão do órgão de tubos da época do Barroco português é de tirar o fôlego.

Fiquei tão animado com a igreja que chamei os outros para verem o resto, até fizemos um tour guiado pelas capelas. Considerada como um centro de irradiação episcopal e um dos mais importantes templos do românico no país, aqui encontram-se os túmulos de Henrique de Borgonha, conde de Portugal e sua esposa, Teresa de Leão, pais de D. Afonso Henriques, na Capela dos Reis.

Nessa mesma capela está o corpo mumificado de Dom Eurico Dias Nogueira que mandou construir a mesma.

Na Capela de São Geraldo, na qual apenas resta a estrutura das paredes, foi mandada erguer pelo arcebispo Geraldo de Moissac, sob a invocação de São Nicolau. A capela é decorada em talha barroca; os azulejos são atribuídos ao pintor Antônio de Oliveira Bernardes. Nessa capela, existe uma rachadura que é atribuída ao terremoto de 1 de novembro de 1755 em Lisboa, Lisboa foi destruída e os efeitos desse abalo chegaram até Braga.

O Santuário do Bom Jesus do Monte (também referido como Santuário do Bom Jesus de Braga) localiza-se na freguesia dos Tenões. Este santuário católico dedicado ao Senhor Bom Jesus constitui-se de um conjunto arquitetônico-paisagístico integrado por uma igreja, um escadório onde se desenvolve a Via Sacra do Bom Jesus, uma área de mata, alguns hotéis e um funicular, que não estava funcionando quando estive lá. Esse santuário é um pouco longe do centro da cidade, como eu estava de carro, foi fácil chegar. Preparem as pernas para as escadarias.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s